23 de out de 2013

estranhos. estranhas amizades.


Apesar de toda timidez, gosto de falar. Não, não em público (quem já me viu falando sobre fotografia em algum Arte Total sabe...), mas gosto de esquecer o que as mães ensinam de não falar com estranhos. Na minha cabeça sempre soou como "seja um bicho do mato" ou algo assim (sei que não é essa a intenção, mas entendam: até eu conhecer/falar com uma pessoa, ela é estranha pra mim, certo?). Voltando ao que quero dizer. Apesar de eu dizer por aí que "não gosto de gente", tenho um certo encantamento por seres humanos. Sim. Classifico diferente "gente" e "ser humano". Gente são as pessoas que vivem por viver: logo, mal humoradas pela vida toda. Já um ser humano, vê a vida diferente. Faz o que gosta ou até o que não gosta, mas procura alguma coisa boa naquilo, 
Esses dias fiz uma amizade de cinco minutos: desci do ônibus e uma senhora comentou como é complicado atravessar a rua com o trânsito sem educação. No fim, estávamos falando sobre nossos trabalhos, quando folgaríamos e "thau, bom trabalho amanhã". O nome dela? Deus e seus conhecidos sabem. Se a verei de novo? provavelmente não. Uma pessoa muito, muito agradável.
E assim vou acumulando histórias, sorrisos e até desabafos que me fazem pensar que no meio de tudo a vida ainda vale a pena quando levada com um sorriso e um sentimento de gratidão.
Onde eu quis chegar com tudo isso? Não sei. Talvez a intenção fosse deixar registrado a diferença entre "gente" e "humano". Talvez fosse um esforço para relembrar todas as histórias que já ouvi {e contei} por aí durante pelo menos 13 anos. Talvez, talvez... Como disse uma vez o Humberto, "a dúvida é o preço da pureza e é inútil ter certeza"...


Facebook | Instagram | Skoob | Portfólio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou?
Comenta e volte sempre que quiser :)